.

.
.

Para mais perto de você ficar ...

domingo, 3 de outubro de 2010

Angela Adonica


Hoje deitei-me junto a uma jovem pura
como se na margem de um oceano branco,
como se no centro de uma ardente estrela
de lento espaço.

Do seu olhar largamente verde
a luz caía como uma água seca,
em transparentes e profundos círculos
de fresca força.

Seu peito como um fogo de duas chamas
ardía em duas regiões levantado,
e num duplo rio chegava a seus pés,
grandes e claros.

Um clima de ouro madrugava apenas
as diurnas longitudes do seu corpo
enchendo-o de frutas extendidas
e oculto fogo.


Neruda

2 comentários:

Anga Mazle disse...

Belo post para iniciar um blog, Serginho. Neruda é poderoso, fonte permanente do lirismo intenso que brota nos Andes.

Só gostaria de fazer uma sugestão: que você, sempre que possível, informasse o autor da tradução. Isso é importante, não só pelo crédito a quem também é um criador, mas para prestar um serviço ao leitor. Outro dia li num blog uma tradução bem ruinzinha do Corvo, do Edgar Allan Poe, sem o crédito do mau tradutor. Uma maldade com o Poe, ainda mais porque existe aquela excelente tradução do Fernando Pessoa.

Beijos

Angélica Lins disse...

Que bom que depois de seguir alguns blogs criastes o teu.
Seja bem vindo a este mundo :)
Boas escolhas iniciais, Neruda e Quintana.


Aguardo ansiosa os teus textos.
Beijo,
Até mais!!